Olá, Visitante Entre Cadastre-se EAD

Portal do Agronegócio


Preços mundiais do arroz aumentaram 2,5% em relação a janeiro

Segundo a FAO, a produção global em 2019 teria sido de 771,4 Mt de arroz com casca (512,2 Mt de arroz beneficiado), uma queda de 0,5% em relação a 2018. A produção chinesa teria sido menos afetada do que o previsto pelo fenômeno climático El Niño. Na Índia, a produção também caiu, mas pouco. Já no restante das grandes regiões produtoras asiáticas, a produção melhorou. Na África Subsaariana, as chuvas insuficientes afetaram a produção, particularmente nas regiões ocidentais, onde é estimado um declínio de 3% em relação a 2018. A redução teria afetado principalmente a Nigéria e o Mali. No resto do continente africano, a produção permaneceu relativamente estável.

No Mercosul, a produção de arroz caiu em 2019 devido a uma redução adicional nas áreas de arroz. Nos Estados Unidos, a colheita também diminuiu 15%, assim como na Austrália, onde a produção caiu 75%.

Comércio mundial

O comércio mundial teria recuado 9% para 44,2 Mt contra 48,5 Mt em 2018. Os principais importadores asiáticos reduziram suas demandas, exceto nas Filipinas e no continente africano, onde as importações aumentaram 3,6% para 17,3 Mt contra 16,7 Mt em 2018. A redução do comércio mundial afetou principalmente a Tailândia, onde as exportações teriam caído 32%. Na Índia, as vendas caíram 17%. Os exportadores do Mercosul e da Austrália também viram suas vendas caírem como resultado da redução na disponibilidade exportável.

Por outro lado, o restante dos principais exportadores do mundo, incluindo os Estados Unidos, viu suas vendas externas aumentarem. Os estoques mundiais de arroz no final de 2019 aumentaram significativamente 4,2% para 183,0 Mt contra 175,7 Mt em 2018, atingindo seu nível histórico mais alto. Essas reservas representam 36% das necessidades globais. O novo aumento é devido, essencialmente, à reconstituição das reservas chinesas e indianas, bem como da Indonésia e das Filipinas. Os estoques dos principais países exportadores também se recuperaram em 37 Mt, equivalente a 22% das reservas mundiais. Em 2020, os estoques mundiais poderão cair 1,2% para 182,2 Mt devido à contração da produção mundial e ao aumento do consumo

Na Índia, os preços de exportação voltaram a subir 1%, estimulados pelas novas demandas africanas de importação e pela atual limitação na oferta tailandesa. As vendas de arroz indiano para a Nigéria via Benin, apesar de marcar uma ligeira progressão, permanecem bem abaixo dos níveis usuais antes do fechamento das fronteiras da Nigéria. Em fevereiro, 5% do arroz indiano marcou US $ 365 / t FOB contra US $ 363 em janeiro. O arroz indiano 25% subiu para $ 345 contra $ 341 anteriormente. No início de março, os preços permaneceram estáveis.

Na Tailândia, os preços de exportação caíram no início de fevereiro, mas aumentaram no final dos meses. A falta de disponibilidade local e especialmente as perspectivas de um declínio na 2ª safra em meados do ano, causada pela seca persistente, levantam preocupações sobre uma redução adicional nas exportações tailandesas em 2020. Alguns exportadores até afirmam que o Vietnã poderia ficar em segundo lugar no mundo, como em 2012 e 2013. Os preços tailandeses ainda estão bem acima dos preços vietnamitas. O preço do arroz Tai 100% B ficou em média $ 436 / t ante $ 439 em janeiro. Em vez disso, o Tai pré-cozido subiu de $ 429 para $ 433. O arroz quebrado A1 Super apreciou-se significativamente em $ 395 contra $ 375 em janeiro. No início de março, os preços tenderam a se fortalecer, marcando os níveis mais altos desde junho de 2017.

No Vietnã, os preços de exportação subiram 4% em um mês. No entanto, eles permanecem competitivos em relação aos preços tailandeses. Apesar da redução na demanda chinesa, as vendas vietnamitas podem aumentar novamente em 2020 para 7 Mt, aproximando-se da Tailândia. Em fevereiro, o Viet 5% registrou $ 368 / t contra $ 353 em janeiro. O Viet estavam firmes. No Paquistão, os preços do arroz voltaram a subir 3% em um mercado que permanece relativamente ativo, especialmente para África Subsaariana. Preços mais baixos em relação aos seus principais rivais, incluindo a China, oferecem vantagens nesses mercados muito competitivos. Em fevereiro, o Pak 25% negociou $ 346 / t contra $ 335 em janeiro. No início de março, os preços permaneciam estáveis.

Na China, a epidemia de coronavírus continua afetando o mercado de exportação, o que acusa uma atenuação das vendas externas, especialmente para a África subsaariana. A demanda de importação chinesa também tende a enfraquecer, mas essa é uma tendência que começou bem antes da crise do Covid-19. Como principal importador mundial de arroz e o quinto maior exportador mundial, as atenuações no comercio de arroz da China também são um fator de instabilidade do mercado e volatilidade dos preços mundiais.

Nos Estados Unidos, os preços de exportação aumentaram 5% em um mercado mais ativo. Em fevereiro, as exportações subiram para 300.000 t contra 220.000 t em janeiro. Nos dois primeiros meses do ano, o México é o primeiro cliente com 25% das vendas nos EUA, seguido do Haiti (16%) e do Japão (12%), justos respondendo por 53% das exportações totais. O preço indicativo do arroz Long Grain 2/4 aumentou para US $ 570 / t, contra $ 541 em janeiro. Na bolsa de Chicago, os preços futuros do arroz casca estavam relativamente estáveis a $ 297/t contra $ 295 anteriormente. No início de março, os preços estavam caindo para $ 288.

No Mercosul, os preços de exportação permaneceram estáveis em um mercado externo mais ativo. O preço indicativo do arroz em casca brasileiro caiu de 3% em um mês para $ 232/t contra $ 239 em janeiro. No início de março, o preço tendia a cair significativamente em 9%, para $ 210, principalmente devido à fraqueza do real em relação ao dólar.

Na África subsaariana, os preços domésticos tendem a subir um pouco. Atualmente, a demanda de importação africana é forte, mas inferior aos níveis históricos, devido ao fechamento das fronteiras terrestres da Nigéria, que continua em vigor desde o final de agosto de 2019. As entradas de arroz tailandês e indiano, via o porto de Cotonou no Benin, ainda estão limitadas a menos de 10.000 t por mês, contra 15 vezes mais em tempos normais. Em 2020, as importações africanas de arroz podem ser inferiores às previsões anteriores.

Data de Publicação: 20/03/2020 às 10:00hs
Fonte: INFOARROZ
◄ Leia outras notícias
Portal do Agronegócio Desenvolvido por: