Olá, Visitante Entre Cadastre-se EAD

Portal do Agronegócio


Ásia deve ser nova fronteira para o etanol

O potencial de exportação do etanol brasileiro foi um dos temas discutidos hoje (18/6) no Ethanol Summit, um dos maiores eventos mundiais sobre energias renováveis, realizado em São Paulo. Os países asiáticos foram apontados como a próxima fronteira para as vendas externas de etanol.

Segundo estimativas da Agência Internacional de Energia, entidade ligada à OCDE (Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico), os biocombustíveis devem ampliar a participação no setor de transportes em 19% até 2023 no mundo todo. Países em desenvolvimento, como a China e a Índia, representam grande potencial de expansão no consumo de energias renováveis.

Durante o painel sobre as oportunidades internacionais para o etanol brasileiro, Marcos Jank, CEO da Aliança Agro Brasil e professor do Insper, destacou o potencial de consumo países como a China, Índia e Filipinas. Na Índia, há uma tendência natural em direcionar o excedente da cana de açúcar para a produção de etanol, de acordo com Jank. Este ano, o país deve estabelecer uma meta de presença de 7,2% de etanol na gasolina e de 10% em 2020.

Segundo Jank, a China tem um potencial de consumo de 19 bilhões de litros por ano de etanol. Ele também frisou o papel preponderante do Brasil na liderança no discurso sobre a importância dos biocombustíveis para a segurança energética e a proteção do meio ambiente nos países asiáticos.

Plinio Nastari, conselheiro do Conselho Nacional de Política Energética, disse que a expansão do consumo de gasolina na China, que cresce a um ritmo de 6% ao ano, deve levar a uma maior demanda por etanol.

"O país produz pouco etanol e deverá necessitar importar mais para balancear a composição nas bombas de combustível nos postos", afirmou. Ele também lembrou que o Brasil não precisa se limitar a exportar fontes de energia sustentável, mas também transferir a tecnologia dos carros flex e do modelo de programas que incentivam o uso de biocombustíveis.

O secretário de petróleo, gás natural e combustíveis renováveis do Ministério de Minas e Energia, Márcio Felix Carvalho Bezer, também participou do evento. Os países asiáticos, em sua visão, poderão adotar uma nova perspectiva para o ciclo de cana de açúcar e do milho, o que poderá beneficiar o Brasil e outros países exportadores de biocombustíveis.

"Novas políticas de uso de energias renováveis deverão aumentar a demanda por esse tipo de insumo", disse.

Data de Publicação: 21/06/2019 às 10:35hs
Fonte: Globo Rural
◄ Leia outras notícias
Portal do Agronegócio Desenvolvido por: