Olá, Visitante Entre Cadastre-se EAD

Portal do Agronegócio


AgRural ajusta previsão de safra de soja do Brasil e vê recorde de 120,7 mi t

“Foi mais um ajuste negativo na linha de tendência, na questão de produção ainda usamos na maioria dos Estados a linha de tendência (histórica) de produtividade”, disse o analista Adriano Gomes.

Ele explicou que a partir de dezembro os números da consultoria já deverão vir com dados de produtividade apurados no campo.

Até a última quinta-feira, o Brasil havia plantado 67% da área projetada em 36,4 milhões de hectares.

Diante de chuvas mais escassas no início do ciclo, a AgRural aponta um atraso no plantio de soja do Brasil ante a temporada passada, quando o país havia semeado 82% da safra nesta época, e em relação à média histórica para o período (70%).

O atraso, contudo, não interferiu na decisão de rever a produtividade, disse o analista.

“A janela ideal da soja não foi prejudicada, isso não deve influenciar na produção”, disse ele.

Na temporada passada, quando o tempo seco atingiu Estados como Mato Grosso do Sul e Paraná, o Brasil produziu 115 milhões de toneladas de soja, abaixo do recorde da temporada anterior, de mais de 119 milhões de toneladas, segundo dados da Companhia Nacional de Abastecimento.

A ligeira redução na produção total em 2019/20 ocorreu apesar de um leve aumento na estimativa de plantio. A AgRural estimava alta de 1,3% na área plantada até o mês passado, e agora vê crescimento de 1,5%.

“No caso da área, foi um aumento basicamente vindo do Norte e Nordeste, pelos melhores preços tanto em reais quanto em dólar, e isso acabou pesando na decisão do produtor”, comentou o analista.

“Alguma áreas que estavam abertas, mas que não foram semeadas na temporada passada, vão ser plantadas nesta temporada”, disse ele.

MILHO SEGUNDA SAFRA

O analista reafirmou que o atraso na soja traz uma preocupação climática para a segunda safra de milho, semeada após a colheita da oleaginosa.

Mas, por ora, não é possível falar em eventuais perdas, já que tudo dependerá do clima a partir do momento em que a segunda safra estiver no campo.

“Há uma preocupação grande com a janela de milho safrinha, Estados com Paraná, Mato Grosso do Sul, São Paulo e Goiás vão ter bastante milho semeado em março”, disse ele, observando que uma parte do cereal geralmente é plantado no terceiro mês do ano, mas não tanto.

“O maior risco é no oeste do Paraná e sul de Mato Grosso do Sul, que podem pegar geada no final de maio e junho... O maior risco é o frio, além de veranico (falta de chuva) durante enchimento de grãos.”

Outro fator que deve contar para a produtividade do milho é que o cultivo vai ter “dias mais curtos pela frente”, pelo fato de ter sido plantado mais tarde.

“Isso acaba afetando a fisiologia da planta, então, geralmente, quanto mais tardio o plantio de milho, sai com potencial reduzido.”

De qualquer forma, o analista comentou que a produtividade foi boa em alguns anos em que o plantio de milho se deu mais tarde, mas que o clima foi favorável. “Está tudo em aberto.”

Data de Publicação: 19/11/2019 às 18:40hs
Fonte: Reuters
◄ Leia outras notícias
Portal do Agronegócio Desenvolvido por: