Fruticultura

Estudo aponta aumento do cancro no cinturão citrícola

Ocorrência da doença no Brasil é heterogêneas; no cinturão citrícola, está presente em 17,26% das árvores


Publicado em: 13/01/2021 às 17:20hs

Estudo aponta aumento do cancro no cinturão citrícola

O cancro cítrico está presente em 17,26% das árvores do cinturão citrícola de São Paulo e Triângulo/Sudoeste Mineiro, o que corresponde a 34 milhões de plantas, índice 15% superior ao registrado em 2019, de 15,01%. Os dados são do levantamento 2020 do Fundecitrus.

Analisando os setores, o Noroeste se destaca com a maior incidência, de 57,57% das árvores com cancro cítrico, enquanto os setores Norte e Centro possuem incidências intermediárias, 23,40% e 18,85%, respectivamente.

Considerando a idade dos pomares, a maior incidência, de 21,10%, é visualizada em árvores entre 3 a 5 anos. Em relação ao tamanho das propriedades, as menores, com até 10 mil árvores, são as mais afetadas, em 30,32%.

Fonte: FUNDECITRUS

◄ Leia outras notícias