Feijão

Produção do Sítio Catarinense, em Rio Azul (PR), é cerca de 35% maior com fertilizante Superbac

Feijão, milho e soja rendem mais com produtos organominerais e resistem melhor à seca


Publicado em: 09/06/2021 às 14:00hs

Produção do Sítio Catarinense, em Rio Azul (PR), é cerca de 35% maior com fertilizante Superbac

Conhecida como capital do fumo do Paraná, pela importância e pela riqueza que proporciona com os cultivos de tabaco, Rio Azul, a 183 km de Curitiba, é um município que mescla as culturas polonesa e ucraniana e também se destaca pelo avançado turismo sustentável. Com uma qualidade de vida acima dos padrões tradicionais do Brasil, a cidade viu sua população rural crescer, ao contrário do que acontece em quase todas as regiões do País. Uma das famílias que se integraram à cidade é a de Rudinei Egewarth, produtor oriundo de Santa Catarina, que há 18 anos mantém o Sítio Catarinense, propriedade de 62 hectares, onde optou pela produção de soja, milho e feijão. 

Nascido na roça, como lembra, Rudinei cuida do Sítio e do cultivo com a ajuda da família - pai, irmãos e sobrinhos - e conta que sempre gostou de  novidades. Foi assim que se interessou pelos fertilizantes organominerais, e decidiu fazer testes em sua lavoura com o Supergan da Superbac. "De início, usei em pequenas áreas das plantações de soja, de milho, feijão e também de aveia para cobertura", conta. "Em todas elas os resultados obtidos não só pagaram o investimento como deram lucro". Hoje, os 62 hectares da propriedade são 100% fertilizados com o adubo da SUPERBAC. 

O produtor destaca que sua colheita de milho mais recente, com o adubo Supergan, foi em média de 205 sacos por hectare; a safra de fevereiro de feijão com 56 sacas por hectare e a de soja de 79 sacas por hectare. "Minha média de produção é cerca de 30 a 35% maior do que a média das plantações que utilizam fertilizantes químicos", revela. "Quem mais colheu soja com adubo formulado químico obteve 64 sacas por hectare".  

Rudinei realça ainda mais dois outros benefícios do Supergan: "Além da produtividade, na época da seca, ele ajuda a segurar a umidade. Este ano, por exemplo, muitos na região estão com as plantas morrendo por causa da seca enquanto eu estou colhendo a produção de feijão quase normal. Outra coisa boa é que o enraizamento das plantas é melhor - o formulado químico queima muito a raiz”, alerta.

Fonte: SUPERBAC

◄ Leia outras notícias