Olá, Visitante Entre Cadastre-se EAD

Portal do Agronegócio

Soja tem estabilidade em Chicago nesta 6ª feira, mas operando do lado positivo da tabela

Os preços da soja retomam parte das baixas observadas ontem na Bolsa de Chicago e trabalham com leves altas no pregão desta sexta-feira (11). Os futuros da commodity, por volta de 8h55 (horário de Brasília), subiam entre 2 e 3,50 pontos nos principais vencimentos, com o o maio/19 valendo US$ 9,23 por bushel.

"Sendo véspera de final de semana e com sentimento negativo em relação às negociações na guerra comercial EUA/China, somente alguma declaração surpreendente das partes para voltar a animar o mercado", explica o analista de mercado da Cerealpar, Steve Cachia.

Durante toda a semana o mercado vem esperando pela confirmação de informações sobre as quais se especulou nos últimos dias, mas a mesma não chegou e a cautela volta aos fundos investidores. Além disso, o mercado espera também pelos dados mais claros e consistentes do tamanho real das perdas na safra brasileira.

"Ainda mais com a colheita avançando no Brasil e com o mercado na dúvida em relação ao tamanho das perdas de safra no Brasil, é possível continuarmos vendo traders na defensiva por enquanto", completa Cachia.

Veja como fechou o mercado nesta quinta-feira:

Soja fecha com baixas de dois dígitos em Chicago nesta 5ª feira com liquidação de posições

A quinta-feira (10) foi de liquidação de posições por parte dos fundos investidores no mercado internacional da soja. Assim, as cotações da oleaginosa fecharam o dia perderam mais de 16 pontos nos principais contratos.

Com isso, o vencimento janeiro perdeu o patamar dos US$ 9,00 por bushel e ficou em US$ 8,95. O maio/19, que é importante referência para a safra do Brasil, terminou os negócios com US$ 9,20 por bushel.

Segundo explicou o analista de mercado Cristiano Palavro, da ARC Mercosul, o mercado se valeu das últimas altas para realizar lucros, além de ainda aguardar - com cautela - por informações mais consistentes sobre as relações comerciais entre China e Estados Unidos. A confirmação de que os chineses estariam, de fato, fazendo compras no mercado norte-americano e de que ambos os países estariam mais próximos de um acordo ainda não chegou e essa ausência de novidades pressiona.

Da mesma forma, a paralisação do governo Trump que também limita as informações relacionadas às exportações norte-americanas é outro fator de limitação também para os preços, ainda segundo o executivo.

Ainda entre as informações que precisam de mais clareza estão aquelas relacionadas à nova safra brasileira de soja. O mercado já precificou parte das perdas observadas no país, porém, como explica Palavro, caso essa quebra se agrave - e os mapas climáticos para os próximos dias são preocupantes - as cotações teriam fôlego para um novo avanço.

E nesta quinta-feira, a Conab (Companhia Nacional de Abastecimento) trouxe seu novo levantamento de safra mostrando a produção de soja em 118,8 milhões de toneladas, contra consultorias privadas falando em 116 milhões de toneladas, em média e frente a sua última estimativa de 120,06 milhões trazida em dezembro.

Mercado Brasileiro

No Brasil, as cotações ainda não refletem toda a movimentação que vem sendo observada na Bolsa de Chicago, porém, exige extrema atenção do produtor. A comercialização deverá ser estratégica neste ano de menor produtividade, o dólar mais baixo e volatilidade na CBOT. Neste momento, novos negócios ainda acontecem com baixos volumes e de forma pontual.

Nesta quinta, com as perdas intensas em Chicago, os preços no mercado nacional cederam tanto no interior - com baixas chegando a até 5% - quanto nos portos.

Em Paranaguá, o spot fechou com R$ 76,00 e baixa de 0,91%, enquanto o fevereiro foi a R$ 76,20, com queda de 0,39%. Em Rio Grande, perda de 1,30 no disponível, para R$ 76,00, e de 1,44% para o próximo mês, com a referência em R$ 75,50 por saca.

O dólar subiu 0,78%, fechou com R$ 3,7091 na venda, mas o movimento foi insuficiente para dar suporte às cotações no Brasil. A moeda americana corrigiu as últimas baixas, mas deve seguir volátil, segundo especialistas.

"A saída foi expressiva e fez um movimento brusco no dólar", comentou um gestor de derivativos de um banco estrangeiro à Reuters ao citar algo em torno de 1 bilhão de dólares.

Imprensa:
Enviar matéria
Data de Publicação: 11/01/2019 às 10:50hs
Fonte: Notícias Agrícolas
◄ Leia outras notícias
Portal do Agronegócio © Copyright 2013 Portal do Agronegócio. Desenvolvido por: