Olá, Visitante Entre Cadastre-se EAD

Portal do Agronegócio

Em acomodação, café arábica opera com leve baixa nesta manhã de 2ª feira em NY

Os futuros do café arábica na Bolsa de Nova York (ICE Futures US) operam com leve alta nesta manhã de segunda-feira (15). O mercado segue em movimento de acomodação, estendendo ganhos, depois de testar mínimas históricas na semana passada.

Às 09h43 (horário de Brasília), o vencimento maio/19 registrava alta de 25 pontos, a 90,70 cents/lb e o julho/19 anotava 93,30 cents/lb com avanço de 35 pontos. Já o contrato setembro/19 operava com ganhos de 45 pontos, cotados a 96 cents/lb.

No Brasil, no último fechamento, o tipo 6 duro era negociado a R$ 381,00 a saca de 60 kg em Guaxupé (MG), em Espírito Santo do Pinhal (SP) registravam R$ 380,00 e em Poços de Caldas (MG) estavam valendo R$ 356,00.

Veja como fechou o mercado na sexta-feira:

Café arábica testa mínimas históricas em NY, mas encerra sessão desta 6ª com leve alta

As cotações futuras do café arábica encerraram esta sexta-feira (12) com leves altas na Bolsa de Nova York (ICE Futures US). O mercado oscilou dos dois lados da tabela no dia, mas acabou prevalecendo a valorização em ajustes e com dados de oferta menos otimistas.

O vencimento maio/19 encerrou o dia com alta de 15 pontos, a 90,40 cents/lb e o julho/19 anotou 92,95 cents/lb com 25 pontos de ganhos. O setembro/19 anotou 95,55 cents/lb com 25 pontos positivos e o dezembro/19 registrou 99,45 cents/lb com 20 pontos de ganhos.

Acompanhando as informações de ampla oferta do grão, o mercado na ICE oscilou entre mínima de 89,33 e máxima de 91,15 cents/lb. Segundo agências, depois da queda de mais de 400 pontos na véspera, a maior percentual diária desde o final de novembro, ajustes foram vistos.

Além disso, novas informações sobre a oferta global também passaram a repercutir sobre os preços. "... A Marex Spectron prevê que o mercado global em 2019/20 entrará terá déficit de 1,6 milhão de sacas após excedente de 8 milhões em 2018/19", destacou o Barchart.

Apesar da alta, operadores continuam acompanhando o desenvolvimento a safra brasileira. "A colheita no Brasil está se aproximando. As ideias são de produção de 62 ou 63 de sacas em 2018/19 e de 52 milhões de sacas na temporada atual", disse o vice-presidente da Price Futures Group, Jack Scoville.

Com a queda forte na véspera, o mercado brasileiro de café arábica testou as mínimas de 13 anos. Pesou sobre os preços a divulgação de altas exportações de café pelo Brasil no mês de março e as incertezas dos operadores com a Terra Forte.

O Cecafé (Conselho dos Exportadores de Café do Brasil) divulgou nesta quarta-feira (10) que as exportações totais do grão em março foram de 2,9 milhões de sacas, com um acréscimo de 10% ante o mesmo período do ano anterior, e receita de R$ 379,1 milhões.

"Os resultados de exportação de café referentes ao mês de março foram muito positivos. O Brasil apresentou boa performance mesmo estando no período de entressafra, com início da colheita do café conilon que acontece em abril/maio no Espírito Santo, Bahia e Rondônia e a colheita do café arábica, em maio/junho nos demais Estados e suas devidas regiões. É importante destacar que o país registrou volumes recordes de exportação nos meses de janeiro a fevereiro", disse Nelson Carvalhaes, presidente do Cecafé.

Além disso, o mercado também esteve apreensivo com a divulgação de recuperação judicial da exportadora Terra Forte, divulgada na véspera. A empresa negociou contratos de venda futura com o grão em cerca de R$ 550,00, mas os preços atuais estão próximos de R$ 350,00.

Mercado interno

O mercado brasileiro do arábica seguiu durante a semana com negócios isolados por conta das baixas externas recentes. O tipo 6 duro segue em cerca de R$ 380,00 a saca na maioria das praças de comercialização, mas em Maringá (PR) atingiu no dia R$ 305,00.

O café tipo cereja descascado registrou maior valor em Guaxupé (MG) com saca a R$ 408,00 – estável. A maior oscilação no dia dentre as praças ocorreu em Espírito Santo do Pinhal (SP) com baixa de 5% e saca a R$ 380,00.

O tipo 4/5 registrou maior valor de negociação em Franca (SP) com saca a R$ 385,00 - estável. Não houve oscilação no dia dentre as praças.

O tipo 6 duro registrou maior valor de negociação em Guaxupé (MG) com saca a R$ 381,00 – estável. A maior oscilação no dia dentre as praças ocorreu em Vitória (ES) com queda de 5,10% e saca a R$ 372,00.

Na terça-feira (09), o Indicador CEPEA/ESALQ do arábica tipo 6, bebida dura para melhor, teve a saca de 60 kg cotada a R$ 389,57 e alta de 1,08%.

Imprensa:
Enviar matéria
Data de Publicação: 15/04/2019 às 10:53hs
Fonte: Notícias Agrícolas
◄ Leia outras notícias
Portal do Agronegócio Desenvolvido por: