Olá, Visitante Entre Cadastre-se

Portal do Agronegócio

Identificação da Helicoverpa armigera pode começar no campo

Helicoverpa armigera. Praga que tem se destacado na imprensa brasileira por ser uma nova espécie de lagarta no Brasil - sua presença foi confirmada em 2013 -, por ter característica agressiva  e atacado lavouras de diversas culturas, como soja, milho, algodão, feijão comum, tomate e feijão-caupi.

O pesquisador e também integrante da Comissão Organizadora do 13º Siconbiol, Crébio José Ávila, coordenou uma mesa-redonda nesse evento, em 16 de setembro, sobre a H. armigera. Os participantes assistiram as palestras dos profissionais Renato A. Carvalho, da Monsanto; Vanessa Andaló, professora da Universidade Federal Uberlândia (UFU); e Ivan Cruz, pesquisador da Embrapa Milho e Sorgo e depois debateram o tema.

Em entrevista, Crébio Ávila, pesquisador e entomologista da Embrapa Agropecuária Oeste (Dourados, MS), que também é um dos pesquisadores da Embrapa que está estudando e avaliando a Helicoverpa armigera, responde algumas questões sobre o controle dessa praga.

1 - Embrapa Agropecuária Oeste - Como o produtor identifica a lagarta de Helicoverpa armigera? Como ela se diferencia visualmente das outras lagartas? O produtor pode realizar essa identificação ou é somente em laboratório?

Crébio - O produtor pode identificar no campo.  Tendo uma lupa de bolso, é suficiente para ele separar  essas lagartas. Como falei, as lagartas da subfamília Heliothinae possui três espécies que nos confundem. Uma é a Heliothis virescens, que é a lagarta-das-maçãs; a outra é a Helicoverpa zea, ou lagarta-da-espiga-do-milho; e a terceira é a Helicoverpa armigera. No caso de separar a Heliothis da Helicoverpa é muito fácil: basta olhar na inserção da base dos pelos, no quarto segmento da lagarta. Se houver espinho na base do pelo, é a Heliothis virescens. Se não tiver espinho na base do pelo, será Helicoverpa: Helicoverpa zea ou Helicoverpa armigera. No caso da Helicoverpa armigera, tem uma característica muito importante: no quarto segmento da lagarta - que é o primeiro segmento abdominal - existem algumas estruturas escurecidas no pelo, como se fosse o formato de cela. Outra característica é que ela possui grande quantidade de pelos brancos sobre o corpo da lagarta. Tem também um aspecto coriáceo, mais endure
cido quando se passa o dedo sobre a lagarta. Mas a confirmação segura realmente é uma lupa de laboratório para fazer a triagem correta da identificação da espécie.

2 - Embrapa Agropecuária Oeste - Quais são as boas práticas agrícolas que o produtor rural deve adotar para evitar a proliferação de pragas?

Crébio - Para evitar qualquer tipo de praga, basicamente, o produtor deve adotar as práticas agrícolas, inseridas no Manejo Integrado de Pragas, o MIP. Uma das primeiras ações que deve ser fazer no MIP é o monitoramento das pragas, seja de ovos, lagartas ou adultos, para se ter subsídios para tomada de decisão para se realizar o controle no momento certo. Já a aplicação de inseticida ou produto biológico deve ser realizada somente quando for necessária para o controle ideal das pragas no tempo correto. Práticas, como por exemplo, uso de fungicidas devem ser evitadas, porque os fungicidas interferem no controle biológico, prejudicando o manejo de pragas.

3 - Embrapa Agropecuária Oeste - Quais têm sido as ações da Embrapa como um todo e parceiros em pesquisas para o controle da H. armigera?

Crébio - O Ministério da Agricultura, incumbiu e envolveu a Embrapa para propor um estudo, um plano de ação emergencial do manejo dessa praga. Durante o mês de abril, reuniram-se em Brasília mais de 30 entomologistas e durante três dias foi preparado um plano emergencial para o manejo dessa praga em diferentes sistemas de cultivo do Brasil. Esse documento foi elaborado e está disponível no site da Embrapa [www.embrapa.br/alerta-helicoverpa] para quem quiser consultar. É um documento orientador básico do manejo emergencial dessa praga. Depois a Embrapa mesmo fez ações de divulgação, de transferência de tecnologia como forma de workshop na Bahia, em Mato Grosso do Sul nós temos várias ações de transferência de tecnologia, várias palestras informando consultores e assistência técnica sobre como identificar a praga e o potencial de dano da praga. A Embrapa também está se organizando em pesquisa na de arranjo e de portfólio de projeto, para criar uma rede de pesquisa para desenvolver ações e soluções de manejo dessa praga.

4 - Embrapa Agropecuária Oeste - Como o agricultor deve realizar o processo de amostragem?

Crébio - Pode ser feita a amostragem de adulto, ovos, lagartas, pupas. São todas formas biológicas do inseto para se ter a informação do potencial de danos que esse inseto possa estar causando na área. No caso de adultos, podem ser usadas armadilhas luminosas na lavoura para coletar adulto, ou também podem ser instaladas armadilhas de feromônios. É o feromônio sexual da praga que vai atrair e capturar adultos. No caso da armadilha luminosa, ela coleta, além da Helicoverpa armigera, muitos outros adultos e fica até um pouco difícil fazer a triagem e separação. No caso da armadilha com feromônio, vai se capturar praticamente indivíduos Helicoverpa e alguns indivíduos Heliothis que estão no meio, portanto é uma forma mais seletiva para coletar. No caso de ovos, lagartas e pupas, é preciso fazer inspeções visuais. No caso de ovos, olhar as plantas; no caso de lagartas, olhar as plantas ou usar o pano de batida; e pupas fazer amostragem no solo. O pano de batida é realmente o mais utilizado na parte área das plantas para avaliar lagartas.

5 - Embrapa Agropecuária Oeste - Até o momento, qual é a indicação de Manejo Integrado de Pragas para a H.armigera?

Crébio - Tem que se usar ações do Manejo Integrado de Pragas. O principal seria o monitoramento - ovos, larvas, pupas e adultos - e isso vai servir de subsídio para tomar decisão de táticas de controle. Hoje, já existe ação como Manejo Integrado de Pragas para [Helicoverpa] armigera o controle biológico, que pode ser natural ou aplicado. O primeiro ocorre naturalmente e, logicamente, pode-se favorecer esse controle biológico natural quando se usa inseticidas seletivos, quando se usa ações com que façam que esses indivíduos se multipliquem no ambiente naturalmente. Ou o controle biológico aplicado, em que se libera os inimigos naturais para o controle das formas da Helicoverpa armigera. Existe, por exemplo, uma vespinha do gênero Trichogramma, que coloca seu ovo no ovo da Helicoverpa. Em vez de nascer uma lagartinha, vai nascer uma outra vespinha. Esse é um controle biológico muito importante. Existem também um grande número de parasitoides que parasitam as lagartas. Por exemplo, nessa safra 2013, na safrinha, 50% das lagartas coletadas na região de cascavel no Paraná estava parasitado por um parasitoide da família Tachinidae. Isso está evidenciando e mostrando o potencial que tem o controle. Existe controle também com ações de manejo integrado que é o controle cultural. Por exemplo, o calendário de plantio: se o produtor faz um plantio de forma concentrada e a janela de plantio seja mais estreita possível, é muito importante para reduzir a infestação da praga na cultura da soja, na cultura do algodão. O vazio sanitário também é muito importante, que é aquele período em que não se deve deixar plantas vegetando para não se constituir a ponte verde para o desenvolvimento da praga. O vazio sanitário é de extrema importância como estratégia de manejo. Existe também a possibilidade de controle de pupa com nematoide entomopatogênico. E, por último, a ferramenta emergencial que nós temos usado é o controle químico que funciona razoavelmente muito bem para Helicoverpa [armigera] se você aplica no momento certo e na dose correta.

6 - Embrapa Agropecuária Oeste - A H. armigera realmente é resistente às plantas transgênicas que expressam a toxina Bt?

Crébio - Isso não está muito conhecido ainda, essas informações para nossas condições [brasileiras] não estão esclarecidas, porque essa praga é relativamente nova em nossa região. A Bt funciona muito bem, no caso da soja, em um complexo de pragas, no caso da lagarta-da-soja, da falsa-medideira, broca-das-axilas. Mas, no caso de [Helicoverpa] armigera, existem alguns trabalhos já mostrando que ela tem, talvez não controle, mas ela tem uma supressão sobre a população de lagartas. Eu acredito, basicamente, que a soja Bt vai ser uma ferramenta importante também que vai contribuir para o manejo da Helicoverpa armigera. Se ela não der o controle satisfatório, esperado como observado com outras pragas, ela vai causar alguma supressão e vai contribuir de maneira positiva para o manejo.

7 - Embrapa Agropecuária Oeste - Qual a mensagem o senhor deixa para o produtor sobre o controle de pragas, especialmente em relação à Helicoverpa armigera?

Crébio - É que o produtor tem que ter consciência que estamos diante de um grande problema. Essa praga realmente tem um poder de destruição muito grande e nós temos que ter consciência disso para tomar as ações. A segunda mensagem é que somente nós vamos conseguir manejar essa praga se seguirmos os preceitos e filosofias do manejo integrado. O manejo integrado é o que vai garantir a produtividade do produtor e a sustentabilidade do agroecossistema.

Confira a programação do 13º Siconbiol no site: www.cpao.embrapa.br/siconbiol2013/programa.php

Imprensa:
Enviar matéria
Data de Publicação: 17/09/2013 às 18:20hs
Fonte: Embrapa Agropecuária Oeste
◄ Leia outras notícias
Portal do Agronegócio © Copyright 2013 Portal do Agronegócio. Desenvolvido por: